TÍTULO: "ENTRAVES E DESAFIOS PARA A EFETIVAÇÃO DA GOVERNANÇA ADMINISTRATIVA NAS IES: um estudo comparativo entre a Universidade de Melbourne, a Universidade de Campinas e a Universidade Federal do Pará (Brasil – Austrália)" 

REBECCA DO NASCIMENTO CASTELLO

 

Banca Examinadora:

Prof. Dr. Jose Pont Vidal - Orientador - PPGDSTU/NAEA/UFPA

Prof. Dr. Armin Mathis -  Examinador Interno – PPGDSTU/NAEA/UFPA

Prof. Dr. Durbens Martins Nascimento -  Examinador Interno – PPGDSTU/NAEA/UFPA

Prof. Dr. Carlos André Corrêa Mattos  - Examinador Externo - PPGAD/ ICSA/UFPA

Prof.ª Dr.ª Leila Marcia Sousa de Lima Elias - Examinadora Externa - PPGGP/ UFPA 

 

 

Dia 28 de junho de 2021 - 9h

Local: On line

RESUMO:

Este estudo tem como objetivo analisar a governança administrativa da Universidade de Melbourne (UNIMELB) na Austrália, da Universidade de Campinas (UNICAMP) e da Universidade Federal do Pará (UFPA) essas duas no Brasil, por meio de um estudo comparativo, a partir das categorias analíticas de autonomia financeira, controle, modelo e lógica de tomada de decisão. A pesquisa foi realizada através de revisão da literatura específica, utilizando a Teoria dos Sistemas Autorreferenciais de Niklas Luhmann como suporte teórico-metodológico. Foi aplicada a abordagem mista (quali-quanti), tendo como instrumento para a coleta de dados entrevistas semiestruturadas e pesquisa documental, interpretadas por meio da análise de conteúdo. Como principais resultados foram identificados que as três universidades possuem características predominantes do modelo de governança de “Partes Interessadas”, sendo que a UNIMELB caminha para um modelo “Empreendedor” mais rapidamente que as demais. Em relação ao modelo de tomada de decisão, as três instituições possuem características predominantemente do modelo burocrático, mas aplicando uma lógica de decisão inovadora. No tocante à autonomia financeira, a UFPA e a UNICAMP, ao contrário da UNIMELB não possuem diversificação das fontes de recursos, dependendo majoritariamente dos recursos do governo federal e estadual respectivamente, como consequência de uma carente relação com o setor produtivo e decisões administrativas pouco operativas em relação ao aumento da autonomia das instituições neste aspecto. Com referência à categoria controle, a UFPA se destacou seguida da UNIMELB e UNICAMP, sendo esta última com sérios problemas a serem superados em relação à transparência e auditorias internas e externas. A partir dos resultados, se delineou de maneira propositiva, um “modelo ideal” weberiano para a governança universitária na área administrativa, levando em consideração as categorias analíticas e visão sistêmica propostas na tese, onde se utilizou características mais modernas da governança para IES públicas, podendo ser utilizado como uma ferramenta organizacional para a prática da boa governança neste setor. Concluiu-se que a governança nas três universidades precisa de aperfeiçoamentos em pelo menos uma das categorias analisadas. As universidades brasileiras precisam focar em políticas que visem uma maior diversificação de recursos financeiros, de maneira a não ficarem tão vulneráveis a crises políticas-economicas do país, tendo como referência as universidades internacionais como a UNIMELB; corrigir os códigos de comunicação com outros sistemas para que a troca de informação aconteça de forma fluida e a tomada de decisão seja mais adequada e; por fim, a UNIMELB e UNICAMP necessitam melhorar suas ações que envolvem controle, sendo a universidade brasileira a que está em uma situação mais desfavorável, pois não possui instâncias básicas de controle (auditorias internas e comitês específicos), o que gerou uma imagem negativa, neste aspecto, da instituição nos últimos anos.

TÍTULOA luta pelo significado. A constituição política do Entremeio(s) no mundo-da-vida

 

Banca Examinadora:

Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro - Presidente/Orientadora  – PPGDSTU/NAEA/UFPA

Profª. Drª. Rosa Elizabeth Acevedo Marin  - Examinadora Interna – PPGDSTU/NAEA/UFPA

Prof. Dr. José Pont Vidal - Examinador interno – PPGDSTU/NAEA/UFPA

Prof. Dr. Eduardo José Marandola Junior - Examinador Externo - ICSHA/UNICAMP

Prof. Dr. André Vinícius Dias Senra - Examinador Externo - PPGECM/IFRJ

 

 

Dia 05 de julho de 2021 - 9h

 

Local: On-line

 

TÍTULO DO PROJETO: "MIGRAÇÃO INTERNACIONAL NA PAN-AMAZÔNIA: UM ESTUDO SOBRE AS CONDIÇÕES DE VIDA DOS MIGRANTES VENEZUELANOS EM BELÉM DO PARÁ"

Banca examinadora:

Prof. Dr. Luis Eduardo Aragón Vaca - PPGDSTU/NAEA/UFPA - Orientador

Prof. Dr. Hisakhana Pahoona Corbin - PPGDSTU/NAEA/UFPA - Examinador Interno

Prof. Dr. Pedro Marcelo Staevie - PPGPPD/UNILA - Examinador Externo

 

Dia 28 de junho de 2021 - 14h

Local: On-line 

TÍTULO: "Gestão compartilhada do patrimônio arqueológico na Amazônia: conflitos e desafios entre o oficial, o legal e o real" 

ANA CRISTINA ROCHA SILVA

Banca Examinadora:

Profª. Drª. Ligia Terezinha Lopes Simonian - Orientadora - PPGDSTU/NAEA/UFPA

Profª. Drª. Rosa Elizabeth Acevedo Marin -  Examinadora Interna – PPGDSTU/NAEA/UFPA

Profª Dr.ª Marcela Vecchione Gonçalves -  Examinadora Interna – PPGDSTU/NAEA/UFPA

Prof. Dr. Alexandre Guida Navarro - Examinador Externo - PPGHIS/UFMA

Prof. Dr. José Petrúcio de Farias Júnior - Examinador Externo - PPGH/UFPI

 

Dia 04 de junho de 2021 - 08h30

On-line

 

RESUMO:

Esta tese apresenta a ampliação conceitual do termo patrimônio cultural trazida pela Constituição Federal de 1988. Feito isso, contextualiza os reflexos dessa ampliação na política preservacionista do Brasil, a partir do século XXI. Ao recepcionar a ampla compreensão de patrimônio cultural defendida pela CF/1988, a nova política de preservação busca o rompimento do paradigma tradiconalista, de modo a permitir o protagonismo da sociedade civil na gestão do patrimônio cultural. Assim, vislumbra garantir o acesso e usufruto dos bens culturais a todos, bem como viabilizar o exercício da cidadania e a sustentabilidade de populações locais. Classificado como patrimônio cultural pelo artigo 216 da CF/1988, os bens arqueológicos estão contidos nesse conjunto de desafios. Ao ter-se em vista essas transformações paradigmáticas, o estudo aqui apresentado buscou compreender como o alargamento semântico do termo patrimônio cultural e a (re)orientação da política cultural nacional vêm se desprendendo do campo discursivo e transformando-se em práticas democráticas e emancipadoras na gestão dos bens arqueológicos, na Amazônia. O estudo objetiva analisar o processo de inclusão de populações locais na gestão do patrimônio arqueológico, nos estados do Amapá e Pará, de modo a entender a atuação do poder público para o fomento e apropriação dos bens culturais, com foco nos pilares da sustentabilidade. Metodologiacamente, a pesquisa se desenvolveu a partir da interação entre os métodos etnográfico e qualitativo. Os resultados apontam para a posição periférica da sociedade na gestão do patrimônio arqueológico. Com uma gênese vinculada a um projeto modernista, a política patrimonial nacional alicerçou-se em uma visão ocidental do mundo e consolidou uma prática centrada na presevação de monumentos. Assim, epistemologias e processos culturais dissonantes são desqualificados pelas estratégias de gestão. Na Amazônia, essa prática ignora os múltiplos modos de apreensão do patrimônio arqueológico, por parte de populações locais. Ademais, conhecimentos e epistemologias locais são negligenciados pelo amplo aparato legal formado em torno do patrimônio arqueológico. Por tais motivos, na região, a política oficial de preservação, a legislação de proteção e a realidade das populações locais se chocam e dificultam a efetivação das diretrizes que orientam a política patrimonial atual. Dito de outro modo, o oficial, o legal e o real caminham em sentidos distintos e centralizam a gestão dos recursos arqueológicos na figura do Estado e dos especialistas do patrimônio.